quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Sobre mudanças e os diversos fluxos da vida...


By Maína Lins



Há pessoas que são felizes com o que são, com o que fazem e morrem se deixarem de ser. Outras, como eu, tem um prazo de validade, vivem de ciclos, fases, são movidas a desafios, se não morrem.

Entretanto, passar de fase, assim como nos games, não é tarefa fácil. As vezes perdemos uma vida e é preciso recomeçar do mesmo lugar ou até retroceder. Esse é o ônus na instabilidade, da vida com emoção, de quem gosta de arriscar, de quem não vive a vida de forma linear.

E aqui não critico quem nasce, cresce, vive em meio a papai, mamãe e irmão, estuda, namora, noiva e casa para recomeçar o fluxo “normal”. A estes dou meus parabéns, são cada dia mais raridade neste mundo, são de fato escolhidos por Deus para seguir o fluxo.

Aos outros, com suas vidas curvas, em espiral, em um eterno vai e volta... a estes eu tiro o chapéu, são verdadeiros heróis pela insistência em viver, em desafiar, em desbravar, em acreditar no improvável, até que um dia Deus também os escolha para voltar a seguir o fluxo, ou não, talvez o destino seja esse mesmo, a inconstância.

Para mim, viver de forma linear, seria uma surpresa, nem sei se saberia lidar com a constância. Estou tão acostumada as voltas que a vida dá, às novas atividades, às novas possibilidades, às mudanças.

Minha pouca experiência de vida me ensinou a não ter medo só porque as chances de dar errado serão sempre maiores, mas nunca saberemos se não tentarmos. É como pedir um boy em namoro, o não você já tem, o sim é uma possibilidade. Poderia não ter pedido e teria uma experiência a menos no currículo, que triste. Ou como dizia um antigo chefe quando pedi para mudar de cargo: “ninguém sabe o que o calado quer, agora eu sei que você quer mudar de cargo”. Em pouco tempo consegui um novo desafio. Estou aqui quebrando a cabeça, acertando e errando, mas como disse, é o ônus. Poderia estar exercendo a mesma função, carregada de tédio e infeliz. Mas o simples fato de dizer o que eu queria trouxe novos rumos, novas experiências. E não é disso que a vida é feita, de experimentar e aprender?


Então se sua vida é um constante “ziguezague”, orgulhe-se de não seguir o fluxo, você está vivendo no modo HARD.

Nenhum comentário:

Postar um comentário