quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Sobre o amor e seus "joguinhos"...

By Maína Lins

Há quem diga que quem tem sorte no jogo não tem sorte no amor e vice-versa. Bom, eu nunca entendi isso muito bem, pelo menos enquanto o amor for baseado em jogos.


O amor, que deveria se tratar de uma decisão unilateral no intuito de fazer o outro feliz porque isso faz quem ama feliz, precisa ser construído a base de jogos e geralmente alguém sai perdendo, aquele que insiste em desconhecer as estratégias para “prender” o ser amado.

E em se tratando de um jogo, você nunca pode dar tudo de si no primeiro momento, até porque não é sabido quanto tempo o jogo vai durar ou se um dia vai acabar. Às vezes, também, é preciso retroceder como estratégia, deixar ou outro achar que está ganhando.

Não se pode chegar e ir amando assim do nada. Você faz parecer que gosta em um momento, no outro você faz parecer que nem tanto. É preciso ir com doses homeopáticas, controlar emoções, a respiração e não mostrar tudo si, se não você perde a jogada.

E sabe o que acho disso tudo? Horrível!!!

Sonho com dia em que poderemos gostar do tamanho no sentimento. Permitir que os sentimentos tomem as proporções que realmente tiverem, grandes, pequenas ou em crescimento. 


Que a vivência do desejo seja tão intensa quanto a vontade que se tiver. Que seja possível conquistar sem retroceder, mostrando o que realmente quer ou espera do outro, sem pré julgamentos.

Calma, não me refiro a maluquices, nem a amores insanos. Apenas penso que ser o que somos e o que sentimos deveria ser o melhor o caminho, ao invés da intensa agonia de escolher o que não queremos como estratégia de jogo.

Que um dia o amor possa voltar a ser o amor, a decisão unilateral de quem resolve amar. Ou que amor seja o fim daqueles que gostam um pouco agora e mais um pouco amanhã. Ou ainda, que amor seja manifestado livremente entre beijos gulosos e abraços apertados sem fim.


Enquanto isso, a aqueles de coração mole, recomendo que tentem aprender a regras do jogo, já que não tem para onde correr mesmo. Mas deixa estar, que o que é para ser vigora!



quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Sobre a ansiedade...

By Maína Lins

Depois de um texto romântico e quase erótico, voltemos ao drama da vida...

Sou ansiosa, mas também esse é meu único defeito, tá bom. No resto sou perfeita. Modéstia? Quem? Rss...

Enfim, defeitos ou qualidades a parte, desde pequena eu era assim. Não dormi enquanto não me tornei a princesa da primavera aos 4 anos de idade. Não dormia antes de um acampamento da igreja, e não dormia durante o acampamento também, como medo de perder algum "bafão". Não como quando estou apaixonada, muito menos quando levo um pé da bunda - e para alguns isso é uma qualidade por que fico magra e linda quando sofro, quando volto a comer é porque está tudo bem na minha vida, esse é segredo da dieta, gente!!!. Sofro por antecipação como medo sofrer depois, aí sofro duplamente, tinha palpitações quando precisava me apresentar tocando em algum lugar e por isso sempre errava a música etc. Viva a ansiedade e aos ansiosos de plantão!

Nesses casos, a única prejudicada era eu mesma, com sono e com fome. Mas e quando nossa ansiedade é projetada em pessoas? Mais uma vez cheguei a algumas constatações, que nada mais são do que a vista de um ponto ou um ponto de vista, sem fundamentação teórico-pratico nenhuma.

A ansiedade faz a gente perder, e não me refiro apenas à paz, ao autocontrole, à saúde. A ansiedade faz você perder oportunidades. As vezes, pelo medo sofrer ou pelos sofrimentos que já passamos, exageramos em nossas expectativas, trazendo grandes doses de esperança ao que poderia ser bom. Mas pela ansiedade, estragamos aquilo que poderia ser bom e especial por nosso desejo de torna-lo espetacular em pouco tempo. A ansiedade nos impede de esperar o ciclo natural das coisas, o tempo das pessoas e nosso próprio tempo.

Vou explicar. Muitas vezes esperamos muito das pessoas e não damos o tempo que elas precisam para acomodassem a nós. Digo isso porque já estive dos dois lados. Pessoas esperaram muito de mim em pouco tempo, ficaram ansiosas, me sufocaram a ponto de me afastarem delas. Simplesmente não tive meu tempo de adaptação respeitado, a ponto do sentimento de querer bem se tornar em repulsa, por mais que eu as entendesse. 

Da mesma forma o contrário é verdadeiro. Projetei grandes expectativas e esperanças em pessoas que não suportaram e foram embora da minha vida. E aí não tem jeito, não há carinho, conversa e pedido de reconsideração que resolva. A ansiedade projetada no outro é capaz de acabar com os sentimentos mais nobres e puros que o outro possa ter, talvez seja impossível remediar tal situação. E aí, todo o investimento de um possível relacionamento  vai por água a baixo e ciclo ansiedade, sofrimento e perda recomeça.

Depois desta constatação, é possível que ainda caiamos no mesmo erro. Somos humanos, não é mesmo ? E se não são nossos erros que nos fazem crescer e amadurecer, o erro dos outros nem sempre adianta também.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Sobre quem quer mais

By Maína Lins

Mais um texto romântico. E aí, quem se identifica?
Eita sofrência! Rss


Quero ser muito mais para você
Quero ser mais que a mulher que faz amor com você
Quero ser o seu amor
Muito mais que alguém que te proporciona prazer
Quero mais que encontros às escondidas e amassos no carro
Ou algumas horas seguras no motel
Quero segurar sua mão pelo shopping e te deixar impaciente enquanto faço compras que você considerará inúteis
Quero comprar maquiagem enquanto você diz que sou linda e não preciso de nada disso
Quero que fique chateado quando eu usar batom vermelho e não deixar você me beijar
Quero assistir um filme brega no netflix jogados no sofá da sua casa
Quero que minha família te mime com comida, pois sabem o quanto é especial para mim
Quero que meus primos finjam ciúme de mim pra te testar
Quero te levar nas festas malucas da minha família buscapé
Quero que sua mãe tenha ciúmes de nós dois, pois assim ela saberá que sou importante pra você, mas depois quero que ela goste de mim a ponto de concordar comigo e discordar de você
Quero participar do seu dia, ficar aflita junto com você na correria, fugir do trabalho para te ajudar
Quero sair correndo no fim do dia pra irmos juntos ao mercado
Queria compartilhar das aventuras insanas na sua garupa e aprender a viver com uma mochila no fim de semana
Quero fazer amor com você numa pedra na cachoeira e ficar com dor nas costas no outro dia
Quero esperar você voltar das suas viagens e comprar uma nova lingerie pra quando você chegar, mesmo que depois não se lembre nem da cor
Queria poder estar do seu lado e saber que sou seu porto seguro
Pra amar, pra morder, pra andar junto, pra brigar pelo controle da tv e depois fazer amor.
Quero que diga que vai dormir na casa de um amigo e fique uma noite inteira comigo.
Quero ficar ofegante de tanto amar você, olhar pro lado e puxar o lençol sobre nos dois
No outro dia quero acordar em paz, na certeza de que tenho um amor.
Quero que isso se repita muitas vezes
Quero estar com você por hábito, por rotina, sem esperar ansiosa a hora que vai me chamar
Quero não precisar me alimentar de whatsapp pra ter mais de você
Quero que finja ciúmes quando eu disser que poderia estar com qualquer um, e poderia mesmo, mas escolhi você naquele abraço, escolhi olhar pra você
Quero encontrar mais que desejo no seu corpo, quero encontrar carinho, afago, cafuné
Quero aprender com você e quero se encante comigo
Quero que me dê conselhos que não vou seguir
Quero me orgulhar de suas conquistas
Quero que me apoie e depois diga “eu te avisei” quando der errado
Quero que ouça minhas raivas do trabalho e concorde comigo
Quero que me dê colo quando eu chorar e diga que não estou sozinha
Quero daqui um tempo te amar e ouvir você dizer que me ama
Quero postar uma foto nossa nas redes sociais e receber parabéns de todo mundo
Quero que faça uma declaração de amor pra mim no facebook sem motivo num dia qualquer

Quero você por inteiro

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Sobre um sorriso especial...

By Maína Lins

Vocês sabem que às vezes viro poetisa, pois nem só de polemizar vive uma menina de quase 30.

Então aí vai mais um texto romântico para corações moles como o meu.

Sobre um sorriso especial...

Sabe aquele sorriso que me faz cantar minha própria canção
Aquele sorriso que faz o coração acelerar e sair do chão
Um sorriso que me faz querer mais...
Mais sorriso, mais amor, mais você.

Um sorriso que me faz rir de amor e gemer de prazer
Um sorriso que faz sentir tudo: frio, quente, úmido
Um sorriso que me faz rir sozinha ao lembrar
O sorriso mais lindo que me vicia em todo o resto.

Então sorria para mim mais uma vez, e outra vez, quantas vezes eu precisar
Permita-me sorrir com você
Permita-me afundar em seu sorriso enquanto sinto sua pele
Permita-me usar esse sorriso para também ser feliz e sorrir
Permita-me ver esse sorriso toda vez que quiser, que é todo dia, toda hora.

Não sei se é amor...e quem sabe?
Só quero seu sorriso agora enquanto somos nós dois
Não importa se é pra sempre
Se é seu sorriso que hoje me faz sorrir ao acordar
Não sei de amanhã ou depois
Só sei que seu sorriso dá saudade enquanto estamos aqui, misturados.

E toda vez que você sorrir, saberei que estou viva
E toda vez que você sorrir, meu corpo saberá porque estou com você
E toda vez que você sorrir, meus olhos vão sorrir de volta
E toda vez que você sorrir me fará bem.

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Sobre estereótipos... sou para casar ou para @#%*¨*&%&?

By Maína Lins





Simplesmente adorei esse vídeo e o canal, principalmente quando dividem as mulheres em duas categorias: as mulheres para casar e as mulheres para "comer".

Tenho observado muitas meninas que ainda se esforçam para manter o estereótipo de "sou para casar", criticando e afugentando do seu círculo de amizades qualquer outra que lembre o "outro lado da força", as que são para "comer", perdendo a diversão de estar junto e misturado.

Sim, em 2015 ainda existem pessoas que se preocupam com o "diz-me com quem andas e eu te direi quem és". Exatamente  por não aceitar tal falácia que descobri que  não importa de onde veem as categorias, os estereótipos, todos equivocados, é claro. Aprendi a enxergar pessoas e a conviver com elas. Conheci muitas meninas bem resolvidas, com experiências de vida que muito me acrescentaram, independente de serem rotuladas pela sociedade em para casar ou para comer, patricinhas ou peruas, feministas ou femininas, a favor ou contra ou o aborto, gordas ou magras. Tá, algumas a gente briga, separa, volta, faz parte da arte dos relacionamentos. Tenho aprendido a gostar delas, mesmo que não concorde com suas atitudes. A partir dessa diversidade também tenho me autoconhecido e respeitado mais sentimentos alheios e os meus.

Agora imaginemos que as mulheres categorizassem os homens da mesma forma, só que não. Nos apaixonamos pelo cara para "comer" no intuito de transformá-lo em para casar. Sim, porque o cara para "casar" é muito bonzinho e não atiça em nada o imaginário da mulher contemporânea. Viu? A mulher também carrega outros tipos de categorias e os confunde.

Portanto, deixemos esses rótulos de lado. Vamos nos dispor a conhecer pessoas e os que elas podem acrescentar em nossas vidas, com suas histórias, experiências e lamentações. E vai que a garota da igreja casa com o boy cretino, e vai que o boy unção escolhe a menina para "comer", e vai que são felizes para sempre. Talvez a periguete com vestido de elástico, rebolando a bunda para o cantor sertanejo possa ser a companheira mais fiel. Talvez a menina para casar precise de um "moleque piranha" para perceber que existe muito mais na vida do que o casamento da Barbie. 

Percebi que meu julgamento muda mais que o clima de Brasília. Odeio ter aquela velha opinião formada sobre tudo.














quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Sobre mudanças e os diversos fluxos da vida...


By Maína Lins



Há pessoas que são felizes com o que são, com o que fazem e morrem se deixarem de ser. Outras, como eu, tem um prazo de validade, vivem de ciclos, fases, são movidas a desafios, se não morrem.

Entretanto, passar de fase, assim como nos games, não é tarefa fácil. As vezes perdemos uma vida e é preciso recomeçar do mesmo lugar ou até retroceder. Esse é o ônus na instabilidade, da vida com emoção, de quem gosta de arriscar, de quem não vive a vida de forma linear.

E aqui não critico quem nasce, cresce, vive em meio a papai, mamãe e irmão, estuda, namora, noiva e casa para recomeçar o fluxo “normal”. A estes dou meus parabéns, são cada dia mais raridade neste mundo, são de fato escolhidos por Deus para seguir o fluxo.

Aos outros, com suas vidas curvas, em espiral, em um eterno vai e volta... a estes eu tiro o chapéu, são verdadeiros heróis pela insistência em viver, em desafiar, em desbravar, em acreditar no improvável, até que um dia Deus também os escolha para voltar a seguir o fluxo, ou não, talvez o destino seja esse mesmo, a inconstância.

Para mim, viver de forma linear, seria uma surpresa, nem sei se saberia lidar com a constância. Estou tão acostumada as voltas que a vida dá, às novas atividades, às novas possibilidades, às mudanças.

Minha pouca experiência de vida me ensinou a não ter medo só porque as chances de dar errado serão sempre maiores, mas nunca saberemos se não tentarmos. É como pedir um boy em namoro, o não você já tem, o sim é uma possibilidade. Poderia não ter pedido e teria uma experiência a menos no currículo, que triste. Ou como dizia um antigo chefe quando pedi para mudar de cargo: “ninguém sabe o que o calado quer, agora eu sei que você quer mudar de cargo”. Em pouco tempo consegui um novo desafio. Estou aqui quebrando a cabeça, acertando e errando, mas como disse, é o ônus. Poderia estar exercendo a mesma função, carregada de tédio e infeliz. Mas o simples fato de dizer o que eu queria trouxe novos rumos, novas experiências. E não é disso que a vida é feita, de experimentar e aprender?


Então se sua vida é um constante “ziguezague”, orgulhe-se de não seguir o fluxo, você está vivendo no modo HARD.

Sobre a esperança e o amor...

By Maína Lins

Eu queria escrever, não sabia bem o que. Mas esse blog é sobre boys, não é mesmo? Então vamos a eles, dentro da minha perspectiva, é claro.

Para isso, permitir-me levar por meus devaneios em busca de algo relevante para mais um texto dentro do contexto. Afinal, já tenho alguns leitores que curtem minhas bobagens, textos românticos, desabafos, reflexões ou simplesmente um pouco de autoajuda, ou esperança. Não me importo como interpretem meus textos, até gosto, pois faço isso por prazer.

Meus devaneios me levaram a refletir sobre toda minha história, meus amores, casos, flertes, paixões, amizades coloridas e namoricos. Tá, não foram tantos casos assim, mas tiveram motivações distintas. 
Entretanto, todos eles carregavam o mesmo sentimento, pelo menos da minha parte: a esperança. Sim, aquele sentimento de “vai que cola”, de “estou aqui curtindo mas vai que...”

No fim, todos eles terminaram de alguma forma, alguns com lágrimas, outros com total indiferença, alguns com pesar, outros com alívio total. Alguns, demorei anos para me recompor, outros bastou dois litros de vinho barato e há aqueles que nem me lembro o nome. Como é mesmo o nome daquele boy que eu fiz jejum de 40 dias para ele ficar comigo porque a irmã da igreja disse que ele era o meu? Acho que era... peraí ... ah, enfim, o fato é que aos 29 não é hora da esperança acabar, aos 30 a vida está só começando.

Não falo aqui de casamento, relacionamento sério, estável, aberto ou amizade com benefícios. Minha esperança é o amor em sua forma mais plena, pura, viva e fulgaz, e não os rótulos, expectativas sociais ou algemas que se espera dele. Quem ama fica, pronto, pelo tempo que quiser, que pode até ser para sempre, que pode até ter anel.

Então retorno a minha história e as distintas motivações que fizeram estar com pessoas, alguns por semanas outros por anos. Não sei dizer quem amei mais ou se amei alguém. Sim, me pergunto que sentimentos foram esses que me causaram tanta agonia e prazer, parafraseando Sandy em “turuturu”. Poderia também considera-los todos como frustrações ou experiências para o currículo, considerando o grande aprendizado, ou todos grandes amores, considerando as erupções quase que vulcânicas oriundas do meu coração.




Talvez por isso a esperança não morra, porque talvez nunca tenha existido, não em sua forma plena e pura. Ou talvez todos eles tenham sido a ponto de se tornar um vício perpétuo em minha vida. Talvez seja essa a graça de tudo, a busca, a descoberta, a diversão do sofrimento, o desconhecido que já sabemos, a novidade com fim tão previsível, a esperança de um novo amor.

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Sobre flores e outros presentinhos...

Gente, adoro esse canal dos Deconfinados e esse vídeo tem tudo a ver com o blog:

Sabe aquele presentinho que você recebeu do boy? Se liga!

https://youtu.be/UyBVo9_ffBY

Sobre a friendzone...

By Maína Lins

Algumas meninas, depois de um pé na bunda, possivelmente procurarão consolo na friendzone. Sim, aquele grupo de boys maravilhosos, fantásticos, estupendos, parceiros, gente boa, amigos, sinceros, compreensivos e que topam qualquer coisa para estarem com você, do sushi ao cachorro quente na ponte, mas que você não se sente atraída de maneira libidinosa por nenhum deles. E sabendo que eles são tudo isso você os coloca numa tal de friendzone, para te-los ali sempre a sua disposição.

Trata-se de um tipo de relacionamento estável, seguro e cheio de fofura, com direito a doces, cafunés e muita birita. São relacionamentos duráveis, divertidos e confortáveis para quem não tem seus feromônios manifestados. Entretanto, pode ser que alguém espere algo mais desse relacionamento perfeito, e algumas pessoas podem esperar por anos, alimentando-se dos benefícios da amizade.

Sim, gata, você também pode estar na friendzone de algum boy por aí, com a diferença que nesses casos os homens não tem impedimentos para manifestações libidinosas a qualquer tempo. Então, cuidado.

Mas voltemos a nossa friendzone. Costumo dizer que algumas pessoas, tem algum tipo de predisposição genética para sentirem atraídas por pessoas dispostas apenas a relacionamentos casuais sem envolvimento afetivo, colocando na zona de amigos pessoas especiais que poderiam ser o motivo da felicidade de uma vida inteira. Nesse casos, ao contrário do texto anterior, a culpa é sua.

Sei que é difícil tentar mudar o olhar em relação a essas pessoas tão especiais, afinal, a friendzone é muito segura e mudar olhar significa colocar alguém em uma zona instável sem muitas garantias. Mais difícil ainda é sentir-se sexualmente atraído por alguém que você tem como irmão. Como dar uma chance a felicidade com alguém que sempre esteve ao seu lado, como transformar sentimentos fraternos em frio na espinha? Eu realmente não sei e tal coisa nunca aconteceu comigo. Mas como diz um amigo meu: você não namora com inimigo.

Então repense, gata. Talvez você esteja aí, solteira sofrida tendo pessoas maravilhosas ao seu redor. Não deixe que a culpa seja sua.


Aos meninos que porventura estejam lendo este artigo, saibam que o sentimento de amizade é sincero e puro, realmente gostamos da companhia de vocês, é maravilhoso. Mas se suas intenções são outras e não for correspondido, não desista da beleza da amizade, vai que um dia...




quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Sobre os boys que partem, ou melhor, o pé da bunda...

By Maína Lins

Quantos boys já partiram da sua vida por conta própria, antes ou durante o relacionamento? Não conta se não fica pior.

Mesmo você sendo linda, inteligente, bem sucedida, divertida, simpática, carinhosa e especial ele se foi. Aliás, tenho certeza que ele disse que você é tudo isso na hora que resolveu partir, e completou: "você vai encontrar alguém que mereça e dê valor em você" ou " não é você, sou eu", ou "não estou em um momento bom para relacionamento sério". Na semana seguinte ele estará namorando seríssimo com outra, pode apostar. Como diz uma amiga: "são os homens sendo homens".

Por alguns dias você sofrerá, pensando em tudo que viveu com o boy, procurando cada detalhe que remeta a culpa a você de mais uma tentativa de relacionamento frustrado. Talvez a culpa seja daquela celulite, ou do seu cabelo ou de alguma coisa que você tenha falado e posto tudo a perder.

Não gata, você foi você. Você agiu como você agiria, o cretino não a aceitou por inteiro e a culpa não é sua. Observe aquela sua amiga maluquinha que namora a dez anos, ele a ama como é e você também.

Isso pode parecer difícil de entender e o entendimento também não diminui em nada a dor de um coração partido. O sentimento de perda, por alguns dias, será maior e atrapalhará tudo que qualquer pessoa disser.

Mas durante 29 anos de existência, mesmo não entendendo nada sobre homens, aprendi algumas coisas sobre mim e sobre as mulheres que conheci. Sim, eu também sofri e as vi sofrer quando cada um deles se foi mas a culpa nunca foi minha, nem delas. E não ligo a mínima para o que dizem dos erros que possivelmente possamos ter cometido. Não acredito em erros quando agimos de acordo com o que sentimos. Até porque gostamos deles com toda a "cretinisse" e mesmo assim tentamos. Por isso não me arrependo das mensagens, das lagrimas nem dos pedidos de reconsideração da situação. Apenas respeito a posição do outro em não aceitar, de não querer.

Aprendi que a culpa é sempre deles. A culpa é de quem escolheu não estar com você, de quem não ousou arriscar a felicidade do seu lado, de quem não viu além da sua estria, joanete, barriguinha saliente e o que mais você considerar um defeito, a culpa é de quem perdeu a chance de compartilhar momentos de alegria e brigas memoráveis, a culpa é de quem perdeu a oportunidade de comprar chocolates para você na TPM, a culpa é de quem não considerou sua história de vida, suas vitórias e derrotas para viver ao seu lado, a culpa é de quem não confiou o coração a quem realmente se importava.

A culpa é do boy que perdeu a chance de tomar mais um porre com você, a culpa é do boy que não vai te levar para dançar no sábado a noite, a culpa é do boy que perderá o seu sorriso e aquele olhar convidativo que diz tudo, a culpa é do boy que não mais sentirá seu cheiro e que nunca mais será o motivo de sua ida a Loungerie, a culpa é de boy que assistirá o jogo sem você no colo tentando entender que raios é o tal do impedimento, a culpa é do boy que perderá seus momentos mais íntimos de cara lavada, que não verá você dançando com aquele short surrado em frente a TV.

Me dei conta disso depois que comecei a prestar atenção nos boys que realmente se importam comigo, até mesmo meu amigo gay. Eles gostam de mim, do jeito que sou e sempre haverá um chocolate na minha mesa quando perceberem que não estou bem, que mais um boy partiu e simplesmente não entenderão o motivo, nem eu. A estes chamo de amigos.

Então lembre-se, se você foi você, a culpa não é sua.

PS: excluo aqui fatores psicológicos que comprometam a integridade física e emocional da pessoa e do outro envolvido. Nesses casos, melhor procurar ajuda profissional.


quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Sobre produção em massa... de meninas.


By Maína Lins

Não gente, não vamos estudar aqui Teoria Geral da Administração, muito menos conceitos Fordistas, apesar de nos apropriarmos da ideia para a evolução deste artigo.

A cada dia percebo como as mulheres perdem suas identidades, gostos próprios para parecerem cada vez mais uma com as outras, em busca de aceitação social ou conquistar o boy.

Logo, o poder de escolha dos consumidores, digo, homens estará comprometido. Não há muito para observar, basta escolher entre a loira ou a morena.

Assim como o modelo Fordista de produção, os produtos, ou melhor, as mulheres sairão idênticas ou similares e em grandes quantidades, com o objetivo de atender a maior quantidade de consumidores, ou melhor, homens. Basta dar uma volta nas baladas da cidade para tal constatação. Meninas vestidas com roupas de elástico, visivelmente desconfortáveis com um modelo que insiste em subir, entrar aqui ou sair acolá. Bom que o desconforto só dura até o primeiro gole de cerveja.


Entretanto, nem as mulheres são produtos, nem os homens são consumidores. Logo, se não somos mercadorias, não precisamos vir embrulhadas para presente, tão pouco atender a critérios de padrão de qualidade. Somos pessoas em busca de amizades, diversão, uma ficada e quem sabe um relacionamento. Cada uma carrega consigo uma subjetividade totalmente ignorada graças ao tal modelo de produção em massa.

Já falamos aqui sobre autoestima, não é mesmo. Então você já sabe o quão linda, poderosa e maravilhosa você é. Sendo assim, não precisa igualar-se para atender as expectativas de outros. Seja você e mostre isso na forma como você se veste e se apresenta. Tenho certeza que, se sentido confortável e segura, vestida de você mesma, logo estará cercada de quem realmente importa, gente que vê além.

Não estou defendendo o desleixo, nem ignoro a necessidade de nos vestirmos de modo a atender outras causalidades, como as profissionais por exemplo. Mas quando o assunto é seduzir, seja como for, esteja linda!

Faça o teste. Eu amo camisas da Dudalina e já fui a encontros vestida assim. Saí do trabalho e fui encontrar o boy com cara de executiva bem sucedida. Gosto de me vestir assim e me sinto bem, assim como adoro vestidos. Também já fui a balada com vestido longo e larguinho e bastou soltar um sorriso simpático para o boy me tirar para dançar.

Então, gata! Se você curte o estilo bandage, saia e cropped, da conta de carregar o look e se sente confortável assim, se joga. Mas se opta por estas peças apenas no intuito de satisfazer o olhar alheio, melhor rever seu armário de roupas, você não precisa disso.


segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Sobre as cobranças da sociedade...para o boy

By Maina Lins

Enquanto as mulheres são a caça, a função de caçador socialmente atribuída aos homens pode não ser tão fácil assim.


Além de caçar mulheres, cumpre aos homens outras funções nem sempre possíveis a todos. 

Imaginemos que você conhece um rapaz de idade semelhante a sua mas que ainda não é profissionalmente resolvido, financeiramente estável ou nem mesmo possui um diploma de graduação. Tal situação pode ser recorrente e desconfortável para mulheres que possuem tais adjetivos.

Recordo-me de um dia ir as lágrimas por ter conhecido um rapaz militar que ainda não tinha começado um curso de nível superior. Sim, tenho um desejo oculto por fardados (que clichê), mas ele teria que ser pelo menos tenente para meu sonho romântico se concretizar. Outra vez conheci um belo rapaz do campo em um show sertanejo. Ele beijava tão bem que comecei a imaginar um futuro ali mesmo, com criancinhas descalças correndo pela fazenda e como faria para que ele começasse um curso de agronomia no dia seguinte.

Deixando meus delírios românticos e insanos de lado, aprendi algumas coisas com isso. Da mesma forma que a sociedade cobra papéis femininos, a cobrança dos papéis masculinos pode ser tão cruel quanto, e alguns homens podem não atender a tantas expectativas.

Posso afirmar que nada disso é problema seu ou meu, até encontrarmos um desses por aí e o beijo ser incrível. Aí, se ambos estiverem de acordo, tal "desarranjo" social será também sua vida. E quando se tratar da sua vida, você poderá interpretar a situação de duas formas. 

A primeira seria entender que se você deu conta de vencer na vida, o boy também teria. Caso contrário ele não faz jus a você. Eu discordo desse primeiro pensamento, mas é o que se vê por aí.

A segunda forma de interpretar a situação é considerar o contexto social, as oportunidades de vida e as origens. Dentro disso, o que o boy poderia ter feito ou aonde ele poderia ter chegado, considerando o ponto de partida. Creio que os principais aspectos a serem considerados nesses casos são disposição para o trabalho e o estudo, expectativas de vida, planos futuros, sonhos, desejos e talento para fazer dinheiro...Talvez se esperarmos um pouco o boy possa ir longe, mas pode ser que trate-se mesmo de um ser acomodado na vida, e acomodados estão por aí em todas as camadas da sociedade. Sim gata, de que forma aquele boy delícia anda dirigindo o Camaro? Foi o papai que deu? Qual a importância o moço dá as coisas conquistadas pelo papai? Da mesma forma, talvez o rapaz do campo esteja satisfeito com a paz e o sossego e não queira muito mais que isso.

A quem possa interessar o militar já está formado e foi ele quem me deu um pé na bunda, para variar.

Sobre eternos recomeços

By Maína Lins

É gata! A vida é difícil. Bom seria que nossa única preocupação fosse a escolha da roupa, do sapato e da make. Entretanto, nossas escolhas são bem mais complexas, as consequências, então, nem se fala. E assim como a escolha de um sapato pode arruinar um look inteiro, algumas consequências de nossas escolhas podem causar grande sofrimento e a necessidade do recomeço.

Corações partidos, momentos difíceis no trabalho, desarmonia em família, não importa. Sempre haverão momentos que nos forçarão recomeçar em meio aos pedacinhos de nosso coração. E juntar esses caquinhos não é tarefa fácil, mesmo aos seres mais evoluídos dotados de tamanha inteligência emocional capaz de bloquear e manipular seus próprios corações. Quanto a nós, os demais, que insistem em arriscar e permitir-se entregar o coração a sorte da vida, cabe apenas tentar recomeçar.

Para esses a dor já é conhecida, velha amiga. E não se trata de maturidade, é só uma forma de viver. Sofreremos, curtiremos fossa em meio a taças de vinho. Amigos, família farão de tudo para ver você sorrir. Mas existem momentos que as palavras ficarão ao vento e não serão capazes de te levantar. Caberá ao tempo e ao poder de regeneração do seu coração a ação de aliviar a dor. É como uma ferida que abre e fecha, deixando uma cicatriz. E cada cicatriz conta uma história, cada cicatriz representa um pedaço relevante da sua vida, um capítulo que findou. 

Algumas dessas histórias terão capítulos longos e extensos, outros serão breves. Mas infelizmente a dor e o sofrimento não estão ligados ao tamanho da história. Capítulos curtos podem trazer grandes cicatrizes.

Depois de tudo isso, quando tudo melhorar. Você irá a Sephora em busca do batom vermelho mais lindo, tão lindo quanto o sorriso que voltou.







PS: Aos que julgam estar bem, entenda que o único capaz de mensurar o tamanho da dor é quem está sentindo. Por isso, se não puder ser solidário, respeite. 

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Sobre a sorte de um amor tranquilo

By Maína Lins


Tudo bem ser poeta neste blog? 

Tudo bem parafrasear Cazuza? E Vinícius?

E com toda a liberdade dos poetas...


“Eu quero a sorte de um amor tranquilo”!
E quem não quer?
Quero um amor tranquilo com frio na espinha, coceirinha no coração e sorriso bobo.
A sorte de um amor tranquilo sem rotina, sem roteiro, sem fluxo.
A sorte de um amor que permita loucuras, que sofra de paixonite aguda e tire o sono.
A sorte de quem tem certeza de ter um amor e a incerteza do “felizes para sempre”.
Um amor tranquilo que “arde sem ver e ainda é ferida que dói e não se sente.”
A sorte de viver um conto de fadas sem necessariamente estar com um príncipe, porque não sou princesa.
Um amor moreno, com sabor de quero mais sem muito mais.
A sorte de quem ama de graça, sem nada em troca e tem todo amor que precisa.
Um amor livre para ficar enquanto houver amor, livre para partir.
A sorte de poder chorar de amor sem julgamento e afogar-se em cerveja.
Um amor instável que ame o tempo todo.
A sorte de um amor tranquilo em meio a mordidas, guerras de travesseiro e desejo.

Eu quero a sorte de um amor tranquilo e não ter paz.

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Sobre stalkear...

By Maína Lins

Como? Cuma? Quê? Quando? Eu? Stalkear? Jamais, nem sei o que é isso!


Atire a primeira pedra quem nunca dedicou algumas horinhas do dia para vasculhar as redes sociais do ser amado, peguete, paquera, ex etc.

Não importa quem ou como, a curiosidade falará mais alto. Medo de ser traído(a), levantar informações, conhecer melhor o boy da internet. Os motivos são infinitos, razoáveis ou não.

Vamos entender melhor essa nova palavrinha, stalkear. Podem haver vários sentidos para esta palavra, segundo minha pesquisa nada confiável. Basicamente é o ato de vigiar alguém, acompanhar, estudar uma pessoa, perseguir ou estar obcecado por. Enfim, no caso deste artigo, vamos entender como o ato de xeretar a vida do boy nas redes sociais para levantar o máximo de informações.

Bom, entendo que se você está conhecendo, conversando com alguém pela internet, e trata-se de uma pessoa que você não tem muitas referências... Linda! Stalkear é seu dever. Antes de conhecer pessoalmente, por uma questão de segurança sua, levante o máximo de informações possíveis. Tudo deve ser considerado, porque de gente louca o mundo está cheio. Sendo assim, é uma forma de proteção. Não importa se você conheceu a criatura no "Amor em Cristo", "Par Perfeito", ou "Tinder". Preste atenção a tudo: gostos, pensamentos filósoficos, lugares que frequenta, amigos, concursos públicos, família, ex.

Após todo esse levantamento de informações, você terá mais critérios para decidir se irar conhecer pessoalmente ou não.

Mas se você conheceu alguém por aí ou está interessado numa pessoa do seu convívio social, stalkear pode não ser a melhor opção. Como um amigo meu me disse: "é queimar etapas". Pense, é como jogar fora toda a oportunidade de descobrir pouco a pouco, de deixar acontecer naturalmente, de construir uma intimidade a ponto da pessoa se sentir confortável para compartilhar com você os aspectos da vida dela. É atrapalhar o romance, pronto. Nesses casos, é melhor vencer a curiosidade e seguir o fluxo normal das coisas.

Stalkeando ou não, cuidado para não curtir aquela foto de 5 anos atrás, rss.






sábado, 10 de outubro de 2015

Sobre o segredo de como ter unhas fortes de cavalo

 By Ane Almeida



Bom, nunca vi a unha de um cavalo, mas o termo nos dá uma sensação de força, não é? Vou fazer um vídeo de como minha unha é forte, mas só o relato de não quebrar a unha em um ano e lavar louça todo santo dia, já afirma que o segredo é do bom.

Quando criança e em boa parte da adolescência eu roía unha. Quando parei eu já estava no ensino médio, queria jogar vôlei e também ter as unhas grandes. O início dessa minha trajetória foi tão conturbada que uma vez peguei uma bola de mal jeito e quebrei quatro unhas de uma vez (Oh alegria). Então comecei a usar tudo o que me indicavam pra unha crescer, mas nada de resultado.

Um belo dia, comprei um daqueles esmaltes de gliter, que é uma dificuldade de outro mundo pra sair da unha. Pois é, esse esmalte aí salvou minha vida. A cada 2 dias eu passava uma camada desse esmalte de gliter na unha e deixava por até 10 dias nesse esquema. Depois eu tirava e deixava a unha respirar por umas 4 horas e começava tudo outra vez. É chato se privar de uma francesinha pra deixar sua unha como uma árvore de natal brilhante, mas o mundo é feito de escolhas, não é mesmo?

Então esse é o meu segredinho que eu faço até hoje. Minha estratégia pra dar uma diversificada é correr e trocar a cor do esmalte se eu for pra algum evento importante ou mais discreto, depois voltar pra casa e passar meu gliter maravilhoso pra lavar a louça.

Ah, pode ser esmalte de qualquer marca. Você saberá se o esmalte é bom ou não quando você for removê-lo, primeiro tente tirar com uma espátula para ver se ele fixa bem! E bem vinda ao mundo das unhas grandes de verdade.

Te desafio a fazer esse teste por 40 dias e vir aqui me contar os resultados.

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Sobre machismo e inteligência emocional...

By Maína Lins


Já disse por aqui que durante esses 29 anos de minha existência, percebi que não há regras para relacionamentos exitosos. Ao mesmo tempo, também, ainda, não obtive êxito.


E aí os motivos, segundos terceiros, são os mais diversos. Porque não escuto o conselho de alguém, porque não li o livro o tal, porque não aprendo nunca ou porque sou uma bobona mesmo. Enfim, poderia listar mil motivos aqui, mas este post não é sobre os motivos da solteirice da autora.


Após observação de milhares de opiniões sobre os motivos que levam moças a "ficarem para titia", cheguei a conclusão que eles são socialmente construídos na perspectiva machista patriarcalista, que delimita funções específicas para o relacionamento, mesmo que esses julgamentos sejam emitidos por mulheres. Pra quem não entendeu nada do que eu disse, vou explicar.


Algumas amigas, mães, tias, avós dirão que você perdeu o boy porque beijou no primeiro encontro, ou fez sexo no primeiro encontro. Não importa o nível de conservadorismo do contexto social, beijo ou sexo. Haverá sempre um julgamento carregado de visão de que a mulher é a caça e o homem o caçador. 


Ao mesmo tempo, insisto que minha observação aponta para ausência de regras. Virgindade ou sexo no primeiro encontro não estão diretamente ligados a felicidade ou fracasso de um relacionamento. Não é porque você se guardou a vida toda para o casamento que será plenamente feliz. E não estou julgando aqui o mérito da virgindade. Se você acredita que deve casar virgem, continue assim. Mas também a ocorrência de atos libidinosos no primeiro encontro não excluem a possibilidade de relacionamento estável e feliz.


E então, porque alguns casos dão certo e outros não. Bom, aí você terá que fazer uma análise sócio-histórica da educação das pessoas envolvidas, perspectivas e valores construídos. 


Tá, as vezes simplesmente não há tempo para análises e tantos questionamentos. Você gostou da pessoa e pronto, como saber se vai dar certo?


Não tem como saber. Mas dependendo da sua inteligência emocional, as coisas podem ficar mais simples. 


É preciso estar preparada emocionalmente para as incertezas, para arriscar sem muitas perspectivas. Também é preciso estar segura de suas convicções, valores e crenças. Se você entende que sexo no primeiro encontro não é pra você, é porque sabe que pode não dar conta emocionalmente ou socialmente das consequências da sua escolha. Sim, o rapaz pode não querer te ver nunca mais na vida ou ele pode descobrir que você é grande amor da vida dele. Da mesma forma, essa situação poderá se repetir, mesmo que você segure o desejo durante meses ou até o casamento. Há também a possibilidade de você mesma descobrir que o boy não serve para você, antes ou durante esse processo.

Então, seja inteligente emocionalmente para dar conta de toda essa diversidade de pensamentos e possibilidades com segurança.

E não se preocupe, uma hora alguém vai "bater com a sua vibe", seja ela qual for.

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Sobre não errar na cor da base nem do corretivo...

By Maína Lins

Quem nunca comprou aquela base ou corretivo e errou na cor ?

Algumas vezes, influenciadas pelas vendedoras ou numa tentativa de acerto na internet, gastamos nosso suado dinheirinho em um produto de tonalidade não apropriada para o nosso tom de pele.

E aí, nem as famosas escapam. Como o caso de Kelly Osbourne. A moça errou feio, escolhendo um tom alaranjado e bem diferente na tonalidade do rosto. Drew Barrymore iluminou demais no corretivo.



Mas então, como não errar?

Simples! Esqueça todas as dicas que você já ouviu, esqueça tabela de cores, esqueça subtons de não sei o que.

Só tem um jeito de não errar: TESTANDO NA CARA INTEIRA! Essa é a regra.

Vamos entender. Você vai pessoalmente a loja (compras pela internet só quando você já conhece e usa o produto), com a pele limpa e pede para vendedora aplicar a base no rosto inteiro. Como existem vários tons, vá testando até chegar no tom que você julga ser EXATAMENTE o tom da sua pele. Não compre o produto que mais se aproximou. Se nenhuma base se igualar ao som tom de pele, procure por outra marca.

Observe também o tom da pele do pescoço e do colo. Muitas pessoas que usam filtro solar constantemente, podem ficar com o rosto levemente mais claro que o resto do corpo. Nesse caso, o tom da base deve acompanhar o tom do corpo, podendo ser levemente mais escura que o tom original do rosto.

Quando finalmente achar que encontrou o tom certo, é preciso considerar também a textura, a durabilidade, a possibilidade de oxidação (que pode vir a mudar o tom da base com o tempo). Para isso, saia da loja e vá dar uma volta no shopping, tomar um sorvete, comprar outras coisas. Durante esse tempo acompanhe como a base se comporta na pele. Se vai craquelar, escorrer, brilhar, coçar, acumular nas linhas de expressão ou mudar o tom. Se possível vá com uma amiga super sincera, mas que queira seu bem, para te ajudar a observar esses aspectos.

Essas dicas também se aplicam para compra de corretivo. Pode ser mais complicado, já que as cores de corretivo se comportam de formas diferentes, de acordo com a tonalidade daquilo que se pretende esconder. Olheiras costumam ser mais arroxeadas, espinhas são avermelhadas etc. Opte pelo corretivo que traga uniformidade a pele. Tentar iluminar ou camuflar por completo pode ser arriscado, deixe isso para profissionais e/ou para quem tem mais habilidade com as makes. Produtos com mais cobertura são mais densos e podem deixar a maquiagem mais carregada, além de acumular nas linhas de expressão. 

Somente quando ficar satisfeita, retorne a loja e compre o produto.

Estamos combinadas? Dá mais trabalho, mas nesse tempo de crise não podemos nos dar o luxo de errar.

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Sobre maquiagem...porque menos é mais!

Minhas amigas sempre me perguntam quais os produtos de maquiagem que eu uso, como construí a habilidade de me maquiar, quais produtos eu uso pra cuidar da pele etc...



Bom, passei por muitas fases durante meu relacionamento com o mundo das "makes". Então, minhas respostas a estas perguntas foram mudando de acordo com o tempo. Houve o tempo que pra mim, era necessário ter 60 batons, todas as cores de lápis de olhos, 10 bases. Houve o tempo que minha vida se resumia a dois batons e um corretivo. E há o hoje, um momento que consigo fazer as mais diversas maquiagens com a menor quantidade possível de produtos. Para alguns, ainda tenho muita coisa, outros se perguntam pra onde foram todas aquelas coisas.

Acho que tenho a quantidade suficiente para quem usa maquiagem todo dia e cuida da pele.

Sendo assim, listarei os produtos escolhidos por mim, separados em três categorias: pele, cor e cuidados.

Cabe ressaltar que meu tipo de pele é mista e sofro com alergias recorrentes.

Vamos lá!

Pele

Considero que os produtos de pele (base, corretivo e pó) são os produtos que merecem maior investimento financeiro. São eles os responsáveis por garantir uma maquiagem durável e bonita, bem como uma pele com aparência saudável e livre de surpresas (alergias, por exemplo).

    *BB Cream Big Easy Spf 35 Pa+++, Benefit: tem post aqui no blog sobre os BBs Creams que uso e o porque de ter dois e não ter base: http://boyseoutrasdrogas.blogspot.com.br/2015/09/sobre-bb-cream-na-correria-do-dia-dia.html

    *
    Base Pure Radiant Tinted Moisturizer SPF 30, Nars.

    *
    Corretivo Ultra Hidratante Fake Up, Benefit: breve post aqui no blog sobre corretivos e porque também tenho dois.

    *
    Corretivo Pro Longwear Concealer, MAC.

    *
    Pó Compacto Blot Powder/Pressed, MAC.


    Cor

    Todos os produtos  responsáveis por conferir cor e dimensão ao rosto (Blush, sombras, iluminador, batons). Quanto aos batons e sombras, use os de sua preferencia. É só uma questão de cor e não é necessário grandes investimentos. Breve farei um post só sobre isso.

    *Blush Powder Blush, Mac: Sunbasque,  Margin (esses dois são cintilantes e conferem ar saudável de sol), Peaches (acabamento translúcido, sem brilho),e coppertone (usado para contorno do rosto e bronzear).

    *
    Iluminador Sun Beam, Benefit: o mais famoso iluminador da marca, levemente dourado. Aplicado nas têmporas e arco do cupido (boca).

    *Sombra Paint Pot, Mac: Layin Low. Sombra cremosa, cor da pele, de alta duração. Aplico em todo pálpebra como base para outras sombras. Isso garante a durabilidade de qualquer outra, de acordo com o gosto pessoal (paletes, individuais, com brilho ou sem).

    *MAKE B. LÁPIS RETRÁTIL PARA OLHOS À PROVA D'ÁGUA, BOTICÁRIO.

    *Lápis de Olhos 24/7 Velvet Glide On Eye Pencil, Urban Decay: enquanto o lápis make B proporciona um traço mais preciso e sequinho (perfeito para delinear), este é mais cremoso, bom para olhos poderosos e esfumados.

    *Duo Perfect para Sobrancelhas, Contem 1g: O lápis 6B de desenho confere o mesmo resultado, mas é prejudicial a saúde dos pelos da sobrancelha e a pele.

    *Máscara de Cílios Roller Lash, Benefit: considerando que já usei máscaras para cílios de todos os preços e marcas, com certeza essa foi a que melhor me adaptei.

    Cuidados

    Produtos que proporcionam a hidratação da pele (mesmo no caso de peles mistas). Como tenho 29 anos, ainda utilizo apenas o básico.

*ÁGUA TERMAL DE LA ROCHE-POSAY: aplico antes, durante e depois da maquiagem.

*Mineralize Charged Water Moisture Gel, Mac: após retirar a maquiagem da pele, esse hidratante a base de água e textura em gel, é perfeito para uma noite transformar a noite de sono em noite de beleza. A textura da pele muda consideravelmente.










Nars: 
http://www.sephora.com.br/nars?iddepartamento=2&idcategoria=13



quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Sobre inflar o ego e essa tal de autoestima...

By Ane Almeida

Primeiro, não quero saber se você é gorda, magra, vesga, baixa, alta, com estria, com celulite, sem peito, bunda caída ou o infinito...



Quero que saiba que tem gosto pra tudo, com todas essas qualidades que você acha que são defeitos, graças a sociedade que prega um padrão de beleza pra ser aceito.

Você quer ser aceita por quem, amor? Se aceite do jeito que você é. Invista na postura e naquele sorriso maravilhoso, sabendo que você pode até se sentir excluída, mas tem pessoas no mundo que vão te apreciar do jeito que você é.

Uma prova disso são os homens que acham lindo aquelas mulheres que passam 30 horas na academia, enquanto outros acham feio uma Graciane da vida. Por que o mesmo não pode acontecer com você? 

Então se o boy virar e colocar defeito no seu kilo a mais, fala pra ele que tem quem goste. Infle seu ego, se olhe no espelho e se ame.



Pessoas com baixa estima evitam espelhos. Eu mesma já fugi anos do espelho me achando um bicho, e tive que passar por esse processo de amor próprio. Quando as pessoas me perguntam sobre a minha aparência no passado, eu sempre respondo que sou a evolução do pokemom. Essa resposta é apenas o reflexo de como eu me sentia na época, até o dia que resolvi mandar os padrões de beleza da sociedade para @#$%%¨. Peguei o espelho para ver que "bicho" que eu era. Me vi e identifiquei a raça. Eu sou humana*, eu gosto de homens com jeito de mau elemento. Por que ninguém iria gostar de mim?

Então deixa de besteira e venha se olhar no espelho comigo. Vamos descobrir a sua raça juntas  e vamos notar que existem outros do mesmo tipo.

Vamos andar na rua sorrindo, desfilando para vida, que por acaso é só uma e não há tempo pra gente ficar se sentindo mal com a própria aparência. Afinal, o que é julgado como bonito pela sociedade hoje, vai passar pelos mesmos processos de julgamento da espécie amanhã, não é?

E já que há gosto para todo tipo de pessoa, quando estiver andando na rua, lembre-se deste conselho: “Tem alguém me apreciando!” 


*Para entender melhor o conceito de raça, que é uma só, a humana:
http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=1026